Festivais aquecem o mês de julho na Chapada dos Veadeiros

Entre as atrações estão o Festival Ilumina e o XIX Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros, que trazem vivências, shows, práticas de yoga e reflexões sobre vida consciente, diversidade cultural e sustentabilidade

Anúncios

XIII Aldeia Multiétnica proporciona espaço intercultural para trocas de saberes e convivência entre indígenas e não-indígenas

Em prol do fortalecimento das culturas e dos direitos dos povos originários, a Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge anuncia a realização da XIII Aldeia Multiétnica. Com a temática voltada aos saberes e fazeres tradicionais indígenas relacionados à arte, saúde e educação, o evento será realizado entre 12 e 19 de julho, em parceria com o Centro de Estudos Universais, na Chapada dos Veadeiros (GO), como uma primeira etapa do Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros*. Em localização privilegiada, em pleno Cerrado preservado da região, a Aldeia Multiétnica oferece uma vivência na qual os visitantes incorporam-se ao cotidiano de uma aldeia. Uma experiência de convivência e imersão na natureza e na cultura dos povos participantes: representantes do Alto Xingu (MT), Kayapó/Mebengôkré (PA), Krahô (TO), Guarani Mbyá (SC), Fulni-ô (PE), Xavante (MT) e Karajá (Ilha do Bananal, TO). Outros convidados e lideranças indígenas, de outras etnias, também participarão das atividades.

A programação conta com oficinas, rodas de conversa e atividades diversas, em uma vivência de sensibilização e aprendizado sobre as culturas e a organização social de cada etnia participante e dos povos indígenas em geral.

A edição de 2019 da Aldeia Multiétnica terá entre os seus destaques uma das festas mais tradicionais do povo Krahô: o PEMP ‘KAHÀC. Até ficarem adultos, os indígenas desta etnia passam por vários rituais de iniciação, que marcam as fases da vida (assim como a maioria das etnias indígenas). Existem três modalidades de Pemp ‘Kahàc: KATYTI, HARAPERE e KUKEN-YON-TXY. As crianças devem passar por todas elas. Na Aldeia Multiétnica, será realizada a KATYTI, que significa “esteiras grandes”. As crianças aparecem enfeitadas e encobertas por duas esteiras de adultos, que no final do ritual serão entregues de presente aos seus padrinhos. Tradicionalmente, esta é também uma maneira de renovar as esteiras da aldeia.

A programação vai contar com rodas de conversa e oficinas norteadas pelos temas-chave deste ano: arte indígena, saúde e educação. Entre elas, estão: “Desafios e superações na autogestão dos territórios indígenas”; “Práticas interculturais de saúde integral: a cura tradicional indígena aplicada”; “Cura e evolução humana na visão indígena, com a palavra de anciãos e curadores sobre os desafios para harmonizar a cultura não-indígena”; “O feminino e os ciclos naturais”; e “Educação de raiz para a diversidade cultural brasileira: processos de aprendizagem e transmissão de conhecimentos tradicionais”.

“Neste momento do Brasil, estamos em risco de perder espaços de natureza e de política já conquistados por conta de discursos e diretrizes que vão contra a preservação de territórios e das práticas naturais nas quais estão inseridos os povos que trazemos para a Aldeia. A mobilização indígena e também de não-indígenas para a preservação dessa cultura e a garantia de seus direitos será um ponto sensível da edição deste ano”, comenta Juliano George Basso, coordenador geral da Aldeia.

A Aldeia Multiétnica é um projeto organizado em cinco áreas: Centro de Saberes, que tem a missão de atuar como uma escola de formação humana livre, fundamentada no conhecimento ancestral dos povos originários; o evento Aldeia Multiétnica, que acontece em todo mês de julho e realiza vivências com apenas um povo em outros meses do ano; a Rede Multiétnica, que nasceu para o escoamento da produção artesanal e geração de renda das famílias e comunidades participantes; o Museu Multiétnico, que mantém um conjunto de exposições permanentes abertas ao público, contribuindo para o fortalecimento da história, da memória e dos saberes e fazeres dos povos indígenas e remanescentes quilombolas; e a Hospedaria da Aldeia, que valoriza a região do Cerrado e abre suas portas para um turismo de experiência cultural, único e exclusivo na Chapada dos Veadeiros.

Para participar da XIII Aldeia Multiétnica é preciso se inscrever com a antecedência: existem duas opções de vivência, de 4 e 8 dias. O pacote inclui acesso completo à programação do evento, hospedagem em camping e alimentação completa.
Para as pessoas que não participam da vivência, é possível adquirir o ingresso da visitação diária por R$ 50,00 (R$ 35 antecipado, no site). A visitação acontece de 13 a 19 de julho, das 14h às 18h.

*Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros
Em 2019, o Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros chega em sua 19ª edição. A primeira etapa acontece na Aldeia Multiétnica, junto aos povos indígenas. A segunda etapa é realizada na Vila de São Jorge, junto a comunidades tradicionais, remanescentes quilombolas e artistas da cultura popular. Mais informações: www.encontrodeculturas.com.br

Serviço
XIII Aldeia Multiétnica
De 12 a 19 de Julho de 2019
Local: Estrada do Vale Verde, Alto Paraíso de Goiás – GO, 73770-000
Inscrições e Informações: e-mail aldeia@encontrodeculturas.com.br
www.aldeiamultietnica.com.br/br/pacotes
Facebook: /encontrodeculturas e /casadeculturacavaleirodejorge

XIX Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros discute novos caminhos de fortalecimento para a diversidade cultural brasileira

O evento começa em 12/7 com a XIII Aldeia Multiétnica. Programação inclui shows de Ponto br, Ponto de Equilíbrio e SIBA. Ingressos já podem ser adquiridos antecipadamente com desconto no site oficial.

Um encontro para descobrir novos caminhos para fortalecer as mais diversas manifestações culturais do povo brasileiro. Com este mote, o XIX Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros anuncia a programação deste ano, com 22 dias de atrações que buscam promover e fortalecer as tradições e culturas de comunidades de diversos lugares do País – e em especial as da região Centro Oeste. De 12 de julho a 3 de agosto, a Aldeia Multiétnica, a Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge e a charmosa Vila de São Jorge, no distrito de Alto Paraíso de Goiás e cenário de entrada do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, abrigam novamente uma experiência única, por meio da qual mais de 30 mil pessoas se reúnem para vivenciar atividades culturais e apresentações com povos indígenas, remanescentes quilombolas, raizeiros, agricultores, rezadeiras, pajés, cantadores, dançadores e mantenedores de tradições de todas as origens, cores e idades.

O evento inicia com a XIII Aldeia Multiétnica (12 a 19 de julho), espaço de valorização dos povos indígenas. Entre os seus destaques da programação: festa PEMP ‘KAHÀC com representantes do povo Krahôn(TO); conversas sobre “Lideranças indígenas: mestres e aprendizes”, que vai mostrar quem são os novos líderes e o que devemos aprender com os anciãos indígenas que lutam até hoje; e um espaço para os saberes da saúde, que vai oferecer práticas ancestrais de medicina dos povos originários. A Aldeia Multiétnica contará também com a participação de representantes das etnias Kayapó/Mebengokré (PA), Fulni-ô (PE), Karajá (TO), Guarani Mbyá (SP), Xavante (MT) e dos povos do Alto Xingu (MT).

 

No dia 20 de julho tem início o Encontro de Culturas, que celebra a cultura do Sítio Histórico Kalunga, o maior território remanescente quilombola do Brasil, e também das comunidades tradicionais da Chapada dos Veadeiros: Caçada da Rainha de Colinas do Sul, Congo de Niquelândia, Catira de São João d’Aliança. A abertura do encontro será com show da banda Ponto br, coletivo que reúne alguns dos principais guardiões da nossa cultura tradicional, como Mestre Walter do Maracatu Estrela Brilhante do Recife, Mestra Zezé de Iemanjá da Casa Fanti Ashanti (MA) e Ribinha de Maracanã, amo e cantador do Bumba Meu Boi de São Luís, em diálogo com a paulistana Renata Amaral e o pernambucano Eder “O” Rocha. Entre outros destaques estão shows das bandas Ponto de Equilíbrio, Xaxado Novo, Flautins de Mauá, Josyara, Socorro Lira, Mestre Anderson Miguel, Siba e Bandinha Di da dó. Também participarão as crianças e jovens da Vila de São Jorge, integrantes do projeto Turma Que Faz, da artista popular e arte-educadora Doroty Marques, que todos os anos monta uma opereta popular para apresentar no Encontro (confira a programação completa aqui).

“Preservar e fortalecer as tradições culturais do Brasil e do mundo, despertar nas comunidades o sentimento de orgulho pelo pertencimento cultural, além de formar um público mais consciente de sua identidade por meio de uma conscientização que reduz o pensamento etnocêntrico e preconceituoso alimentado pela desinformação sobre nossas culturas populares e tradicionais são alguns dos objetivos do Encontro de Culturas”, explica Juliano Basso, Presidente da Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge, entidade que organiza o evento desde a sua primeira edição. O encontro também convida seus participantes ao debate e à reflexão sobre o papel do Estado em relação aos povos tradicionais e aos projetos culturais em prol de seu fortalecimento.

A programação contará ainda com uma Feira de Experiências Sustentáveis, espaço de exposição e comercialização de artesanato regional, além de exibição de filmes e oficinas e fóruns culturais sobre diversos saberes e fazeres culturais tradicionais, compartilhados com grandes mestres brasileiros.

Download de fotos em alta aqui

Serviço
XIX Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros

XIII Aldeia Multiétnica
De 12 a 19 de Julho
Alto Paraíso de Goiás, Chapada dos Veadeiros (GO)
Inscrições e Informações: e-mail aldeia@encontrodeculturas.com.br e www.aldeiamultietnica.com.br 

Encontro de Culturas
20 de julho a 03 de agosto
Vila de São Jorge, Alto Paraíso de Goiás, Chapada dos Veadeiros (GO)
www.encontrodeculturas.com.br
Ingressos: Sympla

 

7ª edição do Festival Ilumina, na Chapada dos Veadeiros, propõe experiência imersiva com uma programação transformadora

Evento será realizado de 5 a 7 de julho e conta com shows musicais de Mariene de Castro, Déa Trancoso, Renata Rosa e Castello. Ingressos já estão à venda.

A natureza exuberante do Cerrado brasileiro será novamente o cenário para uma vivência transformadora com a 7ª edição do Festival Ilumina, que propõe um momento de reconexão humana numa alternativa à rotina cada vez mais agitada dos centros urbanos. Nos dias 5, 6 e 7 de julho, a Chapada dos Veadeiros recebe uma programação única e imersiva, repleta de shows musicais, danças, palestras, aulas de yoga, meditação e gastronomia consciente e vegana, reunindo autoconhecimento e entretenimento em um harmonioso encontro de pessoas unidas para celebrar a diversidade, os direitos humanos, a preservação ambiental e o respeito a todas as formas de vida.

Dentro dos três dias de vivências, a programação conta com uma forte presença feminina, como o show “Santo de Casa”, da cantora Mariene de Castro – um manifesto contra a intolerância religiosa, cujo repertório resgata sambas clássicos da música brasileira e conta com a participação das cantoras Lia de Itamaracá, Nicole Salmi, e do cantor Almério. Destaque, ainda, para o show da cantora Déa Trancoso, pesquisadora de regionalismos e de instrumentos musicais originais, que marca presença com sua inigualável voz que reúne presença e doçura. O Festival Ilumina traz, também, a música do sensível artista Castello para embalar os corpos em um ritmo de êxtase sensorial, entre outras atrações.

A programação também se estende para experiências marcantes em jornadas de conhecimento e vivência, como o aprendizado “Tradição, Parto e Espiritualidade: A Arte de Nascer em Paz”, com Dona Francisquinha, indígena da etnia Shawãdawa do Vale do Juruá (Acre), do povo Arara, que há 15 anos realiza o trabalho de transmitir uma sabedoria ancestral através de trabalhos de cura e pajelança, com um grande conhecimento da medicina alternativa baseada em plantas nativas da Amazônia.

Nas fotos: Marcelo Rosebaum, Paula Abreu e Luana Ferreira
Com os Talks, o Festival Ilumina apresenta debates com renomados especialistas para colocar em pauta ideias disruptivas acerca da sociedade contemporânea. É o caso da palestra de Marcelo Rosenbaum, criador da metodologia Design Essencial, que reflete a capacidade de olhar para uma cultura, despertar e potencializar os seus valores e saberes essenciais através do design. Outra conversa bastante alinhada com a proposta do evento será com Bellatrix, que irá comentar sobre a cura do feminino e do masculino para fortalecer o momento de transição planetária. Haverá ainda talks sobre alimentação consciente com Alessandra Luglio (Alimentação que conecta – você come o que você é), Rafael Fernandes (Brasil, o celeiro do universo) e Malu Paes Leme (Plant Based e a Alimentação Intuitiva e Inteligente), e Paula Abreu, a coach e treinadora de desenvolvimento pessoal mais seguida no Brasil, falará sobre Propósito, Criatividade e a Nova Economia.  Acesse a programação completa neste link.

“O Festival Ilumina é um convite para as pessoas reencontrarem consigo mesmas, vivendo uma experiência única, transformadora, consciente e vegana, apenas com a energia da amorosidade que irradia em seus três dias de evento. O objetivo é que os visitantes venham de coração aberto, com liberdade e vontade de mudar para melhor, e para que possam sentir o poder da música, da alegria e da amizade”, explica Karla Duarte Alves, idealizadora e produtora do evento ao lado da Lara Macedo Pádua. “O Festival surgiu com o propósito de nos reconectar com a essência e com a consciência amorosa que todos nós possuímos, em meio a toda a turbulência social e os desafios planetários desafiadores que estamos vivendo. Mas é também um momento de reflexão, estimulando o autoconhecimento e a mudança interior, numa festa sem uso de drogas ou álcool, alinhada com os conceitos da economia e do consumo sustentáveis”, comenta Lara.

Download de release e de fotos em alta aqui

SERVIÇO
Festival Ilumina 
Data: 5, 6 e 7 de julho
Local: Novo Portal do Beija-Flor (Go 239 km 9 – Estrada para São Jorge), Alto Paraíso de Goiás
Estacionamento pago (vagas limitadas)
Alimentação (não inclusa no valor do ingresso): Praça de Alimentação Vegana
Hospedagem: não inclusa no valor do ingresso
Contatos: (62) 9 9999.3399 / (62) 9 99924879
e-mail: ilumina.chapadadosveadeiros@gmail.com
Facebook: /iluminaamor 
Site Oficial e venda de ingressos:  festivalilumina.com

Aldeia Multiétnica promove vivência com o povo Xavante

Com a proposta de transmitir ao público conhecimentos sobre a cultura A’uwe, em meio à biodiversidade do Cerrado nativo – bioma no qual estão inseridas as aldeias dessa etnia e a Chapada dos Veadeiros – a Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge e o Centro de Estudos Universais realizam em outubro, na Aldeia Multiétnica (GO), vivência ‘Sementes e Sonhos na Visão Xavante’, com um grupo da Aldeia Ripá (MT).

A etnia participou em julho de 2018, da XII Aldeia Multiétnica – projeto que reúne povos do Cerrado, Mata Atlântica, Caatinga e Amazônia, e de outros países, para apresentarem suas culturas de diversas maneiras -, e construíram sua casa tradicional no local. Em outubro, o público terá a oportunidade de conhecer e aprofundar seus conhecimentos sobre os modos de ser, fazer e pensar dos Xavante. Entre as atividades, estão cantos tradicionais e devocionais, pinturas corporais, corridas com toras de buriti, caminhadas em busca de plantas medicinais, contação de histórias antigas ao redor da fogueira, troca de sementes nativas e discussões sobre o sonhar consciente na tradição A’uwe.

Para os Xavante, “a vida é feita da mesma matéria dos sonhos”, portanto a estrutura social e as decisões tomadas nas aldeias são fundamentadas nos mesmos. Por meio do sonho, os indígenas desta etnia recebem orientações e mensagens sobre como devem agir e quais decisões tomar. Na vivência, os participantes terão a oportunidade de aprender e trocar experiências sobre a linguagem do sonhar, e também sobre outras particularidades culturais e espirituais desse povo.

“A Aldeia Multiétnica é um espaço de valorização dos povos indígenas que proporciona a união de diversas etnias para a defesa de suas culturas, tradições individuais e lutas em comum, além de aproximá-los da população não-indígena em uma vivência transformadora”, explica Juliano Basso, presidente da Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge. Nascida no distrito de São Jorge (Alto Paraíso de Goiás, GO), a ONG proporciona encontros ao longo do ano, que valorizam a sociobiodiversidade, possibilitando a troca de saberes e fazeres.
Para participar da vivência, é preciso adquirir um pacote que inclui alimentação completa e hospedagem na aldeia, e toda a programação do evento. (clique aqui)
Serviço
O quê: Sementes e Sonhos na Visão Xavante – Vivência com o povo A’uwe
Quando: 11 a 16 de outubro de 2018
Onde: Aldeia Multiétnica – Alto Paraíso de Goiás (GO)
Pacote Camping: R$ 1.250,00 – Pacote Hospedaria: R$ 1.550,00

XII Aldeia Multiétnica celebrará as crianças indígenas

De 13 a 20 de julho, a Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge, em parceria com o Centro de Estudos Universais, realiza a XII Aldeia Multiétnica, na Chapada dos Veadeiros (GO). Com o tema “Festa das Crianças”, a 12ª edição celebrará as crianças indígenas. Até o momento, as etnias confirmadas para esta edição são Krahô (TO), Kayapó Mebengokré (PA), Fulni-ô (PE), Guarani Mbyá (SP) e os povos do Alto Xingu (MT). Cada uma apresentará as festas, costumes, tradições, ritos de passagem e brincadeiras relacionadas à infância, sob a perspectiva de diferentes culturas indígenas.

Em um novo local desde o ano passado, em 2018 o projeto firma-se como um Centro de Saberes na Chapada dos Veadeiros sobre os povos e comunidades originários e tradicionais, suas culturas e tecnologias sociais, com representantes indígenas como mestres facilitadores.

A localização privilegiada do espaço onde acontece o evento, o contato com o bioma Cerrado e a participação de indígenas e não-indígenas em uma programação de convivência profunda, que atravessa dias e noites, permitem que os participantes tenham contato de forma prática com fragmentos de diferentes culturas indígenas (como cantos, danças, ritos, arquitetura, artesanato, língua e pintura corporal), inserindo-se às atividades diárias de uma aldeia.Oficinas, feiras de artesanato, palestras, apresentações culturais, incursões pelo Cerrado e rodas de prosa são algumas das atividades que integram a programação. Durante as noites, rituais sagrados, cantorias e contação de histórias e lendas ao redor das fogueiras deixam a experiência ainda mais rica.

A Festa das Crianças

O escritor Daniel Munduruku costuma afirmar que a pior pergunta que pode ser feita a uma criança indígena é “o que você vai ser quando crescer?”. Segundo ele, à criança indígena é dado o direito de viver a infância sem preocupação com o futuro. O melhor tempo é o presente.

Nas comunidades indígenas, a infância é vivida e celebrada de forma muito intensa. É durante esta fase que os saberes tradicionais são compartilhados e a comunidade é fortalecida. As crianças são integradas a todas as atividades da aldeia. Aprendem a caçar, mexer com a roça, subir em árvores, nadar e conhecer o território onde vivem. Habilidades básicas para desenvolver a autossuficiência e a forma como darão continuidade às tradições de seu povo.

Como participar da XII Aldeia Multiétnica

É possível aderir ao pacote completo, de 7 dias de vivência, com hospedagem (em camping), alimentação (café da manhã, almoço e jantar) e acesso à programação completa e aos atrativos naturais do espaço (Cachoeiras Almécegas I e II e Rio Couros). Ou adquirir o bilhete diário de visitação, que permite participar das atividades das 14h às 18h.

Informações completas: www.aldeiamultietnica.com.br/pacotes

Cine Aldeia aborda importantes temas da cultura indígena

Atividade faz parte da XI Aldeia Multiétnica, no XVII Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros 

Chapada dos Veadeiros, 18 de julho de 2017 – Uma das novidades da XI Aldeia Multiétnica, primeira parte do Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros, é a realização do Cine Aldeia. Até 19 de julho, serão exibidos 37 filmes, entre curtas e longas, e 10 clipes que abordam importantes temas da cultura indígena. A mostra é coordenada pelo cineasta Pedro Guimarães e curada pela jornalista Thais Brito da Silva, que é também uma das realizadoras do Cine Kurumin – Mostra Audiovisual Indígena e do Espalha a Semente – Comunicação e Cultura Indígena, premiado pelo Ministério da Cultura.

Na programação, filmes gravados em territórios indígenas do Brasil, EUA, Canadá, Peru, Panamá, Argentina, Chile, Bolívia, México, Colômbia e Paraguai. Dentre os destaques da mostra, Martírio, de Vincent Careli, que analisa a violência sofrida pelos Guarani Kaiowá, uma das maiores populações indígenas do Brasil, Taego Ãwa, de Marcela Borela, com registros culturais da tribo Ãwa, Demarcação já, de André D’elia, que traz uma homenagem de mais de 25 artistas aos povos indígenas do Brasil, e filmes do cineasta Kamikiã Kisedje. Marcela Borela, Kisedje e Delia participam ainda presencialmente da mostra.

“Os filmes são uma das formas de comunicação possíveis entre os mundos. As imagens do mundo interior se revelam, criando novas possibilidades de existência pessoal e comunitária, curando e guiando os sonhadores e aqueles que os cercam. No cinema indígena, as imagens criam pontes e mostram caminhos para acessarmos a memória do espírito do planeta. Nos relembrar que todos vivemos o mesmo mito: a humanidade”, explica o cineasta Pedro Guimarães, coordenador da mostra.

Serviço:
O que: Cine Aldeia – Mostra de Cinema Indígena
XI Aldeia Multiétnica do XVII Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros
Quando: até a 21 de julho de 2017
Onde: Aldeia Multiétnica, Chapada dos Veadeiros, GO (22 Km de São Jorge)
Programação Completa: https://goo.gl/WBHYVe
Fotos de divulgação: https://goo.gl/oe19Nm
Mais informações: www.encontrodeculturas.com.br