Giostri Editora reúne seis peças de Betty Milan em volume único

Betty Milan Teatro Dramático Capa_Teatro Lírico_betty milan

Betty Milan – Teatro Lírico e Teatro Dramático, lançamento da Giostri Editora, reúne as seis peças da autora paulista, incluindo a inédita Dora não pode morrer. Sua dramaturgia deslanchou em 1994 com Paixão , escrita para a atriz Nathalia Timberg e encenada em vários estados do Brasil afim de celebrar o amor :  « Se digo que te amo, é para que me digas o mesmo, para saber se entre nós há reciprocidade, se é tua a minha fissura. Sendo, eu me torno indispensável e posso momentaneamente esquecer de mim ».

A esta peça, seguiram-se dois outros textos também de caráter lírico: Paixão de Lia (1994) e O amante brasileiro (2003), a pedido de atores do Teatro Oficina. Paixão de Lia foi lido por Giulia Gam e José Celso Martinez Corrêa no Teatro da Folha. O amante brasileiro foi montado no Teatro Oficina com Ricardo Bittencourt e Luciana Domschke. Saudado pela crítica, recebeu de Zé Celso o texto “Amar é uma performance”, em que ele enfatiza a analogia estabelecida na peça entre a arte de amar e a de atuar.

Depois dos textos líricos, a autora escreveu para o teatro três peças dramáticas. Brasileira de Paris (2005) é uma sátira da libertinagem e do machismo. Tanto recusa a ideologia do libertino, que é contrária ao amor, quanto a ideologia machista, que desautoriza o desejo feminino. Teve leitura dramática no Teatro Oficina. Trata-se de uma exaltação das artes cênicas: « No teatro, a nacionalidade não importa, a liberdade reina e eu estarei longe deste teatro de loucos que é a vida. Todos se contradizem e ninguém se entende. Cada um falando uma língua diferente, verdadeira torre de Babel. O que eu quero é me entregar ao drama de uma peça de verdade e não mais ao drama da vida. E, no palco, eu nunca serei tomada por louca pelo fato de ser livre. Serei livre, simplesmente ».

Adeus Doutor (2008) diz respeito a uma ocidental descendente de orientais que, por não se identificar com as ancestrais, não pode ser mãe. A heroína supera a impossibilidade graças a uma análise, que revela as razões inconscientes do seu drama. Esta peça foi traduzida para o francês e selecionada para leitura dramática no Théâtre du Rond-Point de Paris. Seguiu-se a esta leitura a do texto em português em São Paulo, no SESC Santana, com Bete Coelho no papel da heroína e Zé Celso no do analista. Na mesma trilha de Adeus Doutor, Betty Milan escreveu Dora não pode morrer, sobre o câncer e a loucura. A peça revela a importância da história subjetiva do doente para a cura e estreia no Teatro do Itaú Cultural em agosto de 2015.

Segundo o crítico Luiz Fernando Ramos, a autora mobiliza drama e poesia para encenar sua própria voz “que se diz clara e precisa, variante, mas sempre mediada pela escuta da Psicanálise e intensificada por um olhar apaixonado. O amor, a liberdade e outros temas e tratos humanos são expostos de uma perspectiva singular”.

A obra está inserida no catálogo de dramaturgos nacionais da Giostri Editora, a única no país a investir em publicação, divulgação e distribuição deste segmento em larga escala. A Giostri tem em seu catálogo mais de 150 dramaturgos, a maioria reconhecidos nacional e internacionalmente, e mantém 13 pontos de venda em teatros do Rio de Janeiro, São Paulo e interior do Estado de São Paulo. Fundada em 2005, conta com mais de 700 publicações em seu catálogo total, em diversos gêneros.

Sobre Betty Milan

Betty Milan é paulista. Autora de romances, ensaios, crônicas e peças de teatro. Suas obras também foram publicadas na França, Argentina e China. Colaborou nos principais jornais brasileiros e foi colunista da Folha de S. Paulo e da Veja. Trabalhou para o Parlamento Internacional dos Escritores, sediado em Estrasburgo, na França. Em março de 1998, foi convidada de honra do Salão do Livro de Paris e em 2015 novamente. Antes de se tornar escritora, formou-se em medicina pela Universidade de São Paulo e especializou-se em psicanálise na França com Jacques Lacan.
www.bettymilan.com.br

Betty Milan – Teatro Lírico e Teatro Dramático
Giostri Editora, 2015
Formato: 16cm X 23cm
208 páginas
ISBN 978-85-8108-651-4
Preço: R$ 42,00
www.giostrieditora.com.br

Assessoria de Imprensa
Helena Castello Branco
Comunicação & Cultura
11 3803.9473 / 11 998.723.676
helena@bookcrossing.com.br

“A vida é um teatro” estreia sob a direção de Betty Milan

Tendo o amor, o ciúme, o masoquismo, o preconceito sexual e a infidelidade como temas, A vida é um teatro estreia em curta temporada no Teatro da Livraria da Vila do Shopping Pátio Higienópolis (São Paulo/SP). Trata-se de uma adaptação do livro Quem ama escuta, da escritora e psicanalista Betty Milan. Além de ter feito a adaptação, Betty Milan assina a direção do espetáculo. A vida é um teatro reúne as crônicas mais expressivas do seu Consultório Sentimental publicado em Veja.com.

A autora tratou as crônicas como pequenas cenas, em que há um consulente, um consultor e uma personagem cuja função é a do coro, A Voz. Nas dez cenas, o consulente faz uma pergunta ao consultor, e este responde. Trata-se sempre de uma questão subjetiva : “Quero me casar, mas não consigo ser fiel. Tem solução?” ou “Estou apaixonado, apesar de velho. O que eu faço?” ou “Sinto ciúme, embora não tenha razão alguma para isso. Como me curar?”. Depois da resposta do consultor, fala A Voz, ora fazendo a sátira do que foi dito, ora dizendo o que nem o consulente e nem o consultor ousaram dizer. A Voz faz escutar o que habitualmente não se diz e, no entanto, nos determina.

Do começo ao fim da peça, os atores ficam diante de um púlpito com o texto, que é tratado como uma partitura. Como o cantor, o ator entrega o texto ao público com a voz. “Um procedimento que faz o drama existir através das palavras, além de garantir o distanciamento requerido por uma escuta crítica”, explica a autora.
A vida é um teatro é a primeira peça do Grupo Vozes, que se dispõe a fazer muito com pouco – pouco figurino, pouco cenário e poucos artifícios –, exigindo o máximo do texto e do ator.

Após as quatro primeiras apresentações (04/08, 05/08,11/08 e 12/08) haverá um debate com Betty Milan.

A vida é um teatro
Texto e direção: Betty Milan
Grupo Vozes: Fábio Carrilho (Consultor), Miguel Prata (Consulente) e Barbara Riethe (A Voz)
Datas: 04 a 26 de agosto
Horários: sábados às 20h e domingos às 18h
Local: Teatro da Livraria da Vila do Shopping Pátio Higienópolis – Av. Higienópolis, 618 – piso Pacaembu – Higienópolis – São Paulo/SP
Ingressos: R$20,00 (meia) e R$40,00 (inteira)
Duração: 50 minutos
Debate com Betty Milan após as apresentações dos dias 04/08, 05/08, 11/08 e 12/08
Faixa etária: 12 anos
Gênero: drama
Capacidade: 65 lugares
Área para fumantes: não
Estacionamento no local: sim
Acesso para deficientes: sim
Ar condicionado: sim
Rstaurante: não

Assessoria de Imprensa
Helena Castello Branco
Comunicação & Cultura