Especialista vem ao Brasil ministrar Iyengar Yoga para Depressão 

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), no Brasil, cerca de 5,8% da população sofre de depressão – um total de 11,5 milhões de brasileiros. O índice é o maior da América Latina e o segundo do continente, atrás apenas dos Estados Unidos, com um índice de 5,9%, equivalente a 17,4 milhões de casos. A doença é a principal causa de incapacidade laboral no planeta e, nos piores casos, pode levar ao suicídio. Em 10 anos, de 2005 a 2015, esse número cresceu 18,4%. A prevalência do transtorno na população mundial é de 4,4%.

Desde a década de 1970, a meditação, o yoga e outras práticas terapêuticas têm sido estudadas como possíveis tratamentos para a depressão. Um estudo científico recente da Universidade de Boston mostrou que a prática regular de Iyengar Yoga reduz de forma significativa os sintomas da doença, podendo se tornar um tratamento complementar ou uma alternativa aos antidepressivos.

Em outubro, uma das mais respeitadas instrutoras de Iyengar Yoga da Europa, a alemã Rita Keller vem a São Paulo para ministrar um workshop no qual vai mostrar diferentes  aspectos da depressão, que pode ser causada por fatores externos ou internos, como excesso de trabalho, fadiga e hereditariedade, e métodos que ajudam a diminuir e a superar os sintomas. “Pesquisas recentes comprovam a importância da Yoga nessa área, que funciona mais que qualquer outro recurso, principalmente para sintomas leves e moderados”, explica Keller.

Quem traz a especialista para o Brasil é Analu Matsubara, coordenadora e fundadora do Estudyo Iyengar Yoga São Paulo, onde a atividade será realizada: “Por meio desta prática disciplinada estou, desde 1999, sem uso de qualquer medicação antidepressiva. Já passei por inúmeras consultas e internações psiquiátricas, e sou uma testemunha do enorme impacto positivo no sistema nervoso”, comenta Analu.

O workshop será ministrado em inglês com tradução para o português e contará com uma equipe de apoio para orientar os alunos na execução das práticas. As aulas são direcionados ao público em geral, praticantes iniciantes e avançados, e a professores de Yoga. Não há pré-requisitos.

Sobre Rita Keller
Instrutora sênior certificada pelo mestre indiano BKS Iyengar. Fundadora da Associação de Iyengar Yoga, em Colônia. Coautora dos livros Iyengar Yoga for Motherhood: Safe Practice for Expectant & New Mothers (Iyengar Yoga para a maternidade: prática segura para gestantes e novas mães) e Iyengar Yoga in der menopause (Iyengar Yoga na menopausa), ambos sem tradução para o português. Autora de inúmeros DVDs e artigos em publicações na Europa. Terapeuta ayurvédica e estudante do instituto RIMYI em Pune, Índia. Participou de seminários juntamente com B.K.S. Iyengar e Geeta S. Iyengar. Palestrante internacional.

 

Serviço

Iyengar Yoga e Depressão – Workshop com Rita Keller
Data: 11 a 14 de outubro
Horário: das 8h às 12h e das 14h às 17h30
Local: Estudyo Iyengar Yoga São Paulo – ESIYSP
Endereço: Rua Cel. Oscar Porto 836 – Paraíso, São Paulo
Facebook: /EstudyoIyengarYogaSaoPaulo
Mais informações e inscrições: www.esiysp.com.br/rita

 

Anúncios

XII Aldeia Multiétnica celebrará as crianças indígenas

De 13 a 20 de julho, a Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge, em parceria com o Centro de Estudos Universais, realiza a XII Aldeia Multiétnica, na Chapada dos Veadeiros (GO). Com o tema “Festa das Crianças”, a 12ª edição celebrará as crianças indígenas. Até o momento, as etnias confirmadas para esta edição são Krahô (TO), Kayapó Mebengokré (PA), Fulni-ô (PE), Guarani Mbyá (SP) e os povos do Alto Xingu (MT). Cada uma apresentará as festas, costumes, tradições, ritos de passagem e brincadeiras relacionadas à infância, sob a perspectiva de diferentes culturas indígenas.

Em um novo local desde o ano passado, em 2018 o projeto firma-se como um Centro de Saberes na Chapada dos Veadeiros sobre os povos e comunidades originários e tradicionais, suas culturas e tecnologias sociais, com representantes indígenas como mestres facilitadores.

A localização privilegiada do espaço onde acontece o evento, o contato com o bioma Cerrado e a participação de indígenas e não-indígenas em uma programação de convivência profunda, que atravessa dias e noites, permitem que os participantes tenham contato de forma prática com fragmentos de diferentes culturas indígenas (como cantos, danças, ritos, arquitetura, artesanato, língua e pintura corporal), inserindo-se às atividades diárias de uma aldeia.Oficinas, feiras de artesanato, palestras, apresentações culturais, incursões pelo Cerrado e rodas de prosa são algumas das atividades que integram a programação. Durante as noites, rituais sagrados, cantorias e contação de histórias e lendas ao redor das fogueiras deixam a experiência ainda mais rica.

A Festa das Crianças

O escritor Daniel Munduruku costuma afirmar que a pior pergunta que pode ser feita a uma criança indígena é “o que você vai ser quando crescer?”. Segundo ele, à criança indígena é dado o direito de viver a infância sem preocupação com o futuro. O melhor tempo é o presente.

Nas comunidades indígenas, a infância é vivida e celebrada de forma muito intensa. É durante esta fase que os saberes tradicionais são compartilhados e a comunidade é fortalecida. As crianças são integradas a todas as atividades da aldeia. Aprendem a caçar, mexer com a roça, subir em árvores, nadar e conhecer o território onde vivem. Habilidades básicas para desenvolver a autossuficiência e a forma como darão continuidade às tradições de seu povo.

Como participar da XII Aldeia Multiétnica

É possível aderir ao pacote completo, de 7 dias de vivência, com hospedagem (em camping), alimentação (café da manhã, almoço e jantar) e acesso à programação completa e aos atrativos naturais do espaço (Cachoeiras Almécegas I e II e Rio Couros). Ou adquirir o bilhete diário de visitação, que permite participar das atividades das 14h às 18h.

Informações completas: www.aldeiamultietnica.com.br/pacotes